02/09/2013

6- Museu da Loucura





Barbacena é a cidade das rosas e dos loucos
mas os loucos chegaram primeiro





Os loucos se anteciparam as rosas e
 desembarcaram na estação Sanatório ->
depois da criação do HCB
Hospital Colonia de Barbacena




fazenda-da-caveira-1868-foto-de-henry-klumb-1600x1200-1600x1200

Criado em agosto de 1903
 na antiga fazenda da Caveira
que pertencera ao "traíra" 
Joaquim Silvério dos Reis
O HCB tinha tudo para dar certo:




leito para 200 internos, centro  hortifrutigrangeiro, oficina de carpintaria  olaria
 e bom sucesso garantido por seu potencial auto-sustentável e pela aplicação
 do novo método manicomial-iluminista de Phillippe Pinel




hospital-colonia-hcb-32500-cor-a-bege-aa-300x202
Pavilhão feminino do HC







Lasciate ogni speranza
voi che entrate
           






O HCB tinha tudo para dar certo  e ia dando certo
Sua fama de “referência em Assistência à Alienados ” porém
escapou afobada de Barbacena 

sobre trilhos das estradas de ferro recém-construídas por
Henrique Dumont – avô da aviação


Embora a obsessão do filho 
aparentemente não o preocupasse
Henrique 
precavido entroncou 
 Cabangu

x
Sanatório

                                                                                       
Ah, mas a fama do HCB 
 foi fhemig-051longe demais
Ultrapassou ramais ferroviários
dos sertões mineiros da 

serra da Mantiqueira
 lançou olhar iluminista de Pinel 
sobre alienação mental 
na emergente Republica brasileira 
e voltou à Barbacena 
arrastando consigo trens lotados
de excluídos social e mentalmente


Partiu  trem de doido









Bem-vindo


Cemitério 
do Hospício de Barbacena


Nossa fortuna nosso túmulo

museu-lou-sem-cor
Museu da Loucura. Barbacena-MG




Tragédia do HCB:
superlotação 
omissão 
60 mil mortos 
anonimato









Pensava que 
loucura fosse ilha 
mas é continente
-Simão Bacamarte


 
fhemig-028
Espaço Cultural e Biblioteca do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena







fhemig-051fhemig-049









                                                                   
fhemig-023



















 (M. de A. conheceu as ruas íngremes e pedregosas de Barbacena e as preciosas obras de arte da sua
principal igreja)



A dúvida acadêmica desfez-se quando se comprovou a ida do Bruxo a Minas Gerais, para uma tríplice parada em Juiz de Fora, Sítio e Barbacena. Andou de trem, a cavalo e de carruagem. Portanto, as referências a Barbacena, no começo e no fim do clássico “Quincas Borba”, foram produto de 
experiências vividas.
http://www.gabrielchalita.com.br/index.php/features/educacao-em-foco/item/779-machado-de-assis-nas-alterosas.html

























































































































































































































































Editor Marco ATR
Copyright © 2016 Minas pira.



blah





... dando defeito.















Nenhum comentário:

Postar um comentário